O brasileiro começou o ano de 2021 mais endividado do que começou o ano de 2020. Ao mesmo tempo, o percentual de famílias com dívidas em atraso no mês de janeiro caiu pelo quinto mês seguido em relação aos meses anteriores.

Basta olhar para os dados com um pouco mais de atenção para entender um pouco mais:

  • Por outro lado, a pesquisa mostra que o percentual de famílias com contas em atraso caiu pelo quinto mês seguido, numa sequência de queda que vem desde setembro de 2020. 
  • Outro fator positivo é que o número de famílias que declararam não ter condições de pagar as contas passou de 10,9% em dezembro para 9,6% em janeiro.

No ano que passou, a pandemia foi o principal motivo para o cenário de endividamento e a própria CNC aponta medidas como o auxílio emergencial como um fator que colaborou para que os brasileiros diminuíssem a inadimplência. 

Este cenário demonstra um pouco sobre as causas e consequências do endividamento das famílias e mostra que entender os motivos que levam as pessoas a se endividar pode auxiliar as empresas a ter mais êxito nas cobranças.

Pensando nisso, apresentamos os principais motivos de inadimplência das famílias e como lidar com eles para cobrar no momento e do jeito ideal, considerando os fatores externos que limitam o devedor.

Quais os principais motivos de inadimplência das famílias brasileiras?

Desemprego

O desemprego é o principal motivo que leva as pessoas a se endividar. Segundo o SPC Brasil (Serviço de Proteção ao Crédito) e a CNDL (Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas), 30,2% das pessoas apontaram a perda do emprego como motivo para o endividamento.

Diante da perda da renda, a primeira consequência é que as pessoas priorizem o pagamento daquilo que é considerado indispensável em primeiro momento, como alimentação e aluguel, fazendo com que outras contas assumidas fiquem de lado até a recuperação da renda.

Nessa hora, os juros e multas costumam agravar esse cenário, fazendo com que os devedores se enxerguem numa situação difícil, que fica cada vez pior com o passar dos dias e meses. 

Por isso, ter a possibilidade de negociar o pagamento, parcelar, retirar o nome da lista dos negativados e obter descontos nos juros pode fazer muita diferença para ter sucesso na recuperação da dívida, principalmente quando a pessoa recuperar a renda novamente.

Redução de renda

A redução na renda não ocorre apenas quando as pessoas perdem o emprego ou trocam para um emprego com remuneração menor. 

O aumento na inflação também tem influência: as coisas sobem, o dinheiro passa a valer menos e as pessoas perdem o poder de compra.

Por não ocorrer da noite para o dia, é natural que as pessoas mantenham por algum tempo os hábitos financeiros até que a redução na renda seja sentida na falta de dinheiro no fim do mês. 

É nessa hora que as contas que são consideradas não essenciais para o devedor começam a ser as primeiras a serem deixadas para depois, naquele famoso jeitinho de jogar para o mês seguinte.

Utilizar a tecnologia e análise de dados para entender o momento que a pessoa está vivendo, se está devendo para outros credores, e utilizar desses critérios para negociar pode trazer resultados positivos, afinal, o devedor também está em busca de normalizar a situação financeira.

Ferramentas de cobrança também serão importantes nessa hora para manter o devedor atualizado sobre a dívida. Afinal, é grande a chance da sua empresa não ser a única com a qual ele adquiriu um débito.

Mensagens de cobrança por SMS, e-mail e até mensagens pelo WhatsApp enviadas com frequência e com textos de cobrança adequados vão auxiliar e pressionar o devedor a não esquecer dessa dívida.

Salário atrasado

O salário atrasado é um dos motivos de endividamento que foge do controle das pessoas. Isso pode ser percebido sobretudo no caso dos devedores ocasionais, aqueles que só deixam de pagar o que devem em caso de situações inesperadas.

Nessa hora, vale a pena entender quais são as circunstâncias atuais da vida do devedor, oferecer condições especiais e, se for o caso, negociar ou reduzir juros e multas de atraso quando possível.

Este tipo de negociação pode tornar o relacionamento da sua empresa com este devedor ainda melhor, aumentar os níveis de satisfação, a probabilidade dele recomendar sua empresa e prolongar a fidelização.

Parcelamentos excessivos e a falta de educação financeira

Esses são dois motivos que estão interligados e que causam o endividamento das pessoas.

A falta de educação financeira tem como principal consequência a falta de planejamento financeiro e a falta de entendimento do valor verdadeiro do dinheiro.

O resultado disso é a escolha de parcelar excessivamente em vez de priorizar o pagamento à vista, a falta de entendimento de quando vai acabar aquele pagamento antes de parcelar uma nova compra, entre outros detalhes que fazem os parcelamentos virarem uma bola de neve.

E assim ocorre a inadimplência.

A recuperação dessas dívidas pode ser um pouco mais difícil. Utilizar a tecnologia vai ser fundamental para recuperar esses devedores, tanto a partir da análise de dados e da situação atual do devedor, quanto para enviar cobranças frequentes e nos canais certos para atingi-lo.

Também vale a pena agir de maneira preventiva, oferecendo descontos para pagamento à vista ou também enviando lembretes sempre que uma conta está perto do vencimento.

Compras para terceiros

Estima-se que 4 em cada 10 brasileiros já pediram o nome “emprestado” a outras pessoas para fazer um empréstimo no banco ou fazer compras no varejo.

E apesar de ser um sinal de alerta para quem recebe este tipo de pedido, é mais comum do que deveria o número de pessoas que aceitam fazer este “empréstimo do nome” para amigos e parentes que, provavelmente, já estão com nome negativado por terem deixado de pagar outras dívidas.

Sem o compromisso do verdadeiro devedor para quitar, recuperar este tipo de dívida pode ser bem difícil. 

Ao mesmo tempo, oferecer descontos e diversificar as possibilidades de pagamento pode fazer diferença para ajudar quem ficou com o nome sujo a se sentir incentivado a pagar o saldo devido por outra pessoa para não ficar negativo na praça.

A importância da cobrança adequada na recuperação de dívidas

Criar estratégias usando ferramentas que melhoram a produtividade vai ser decisivo para ter sucesso na cobrança de dívidas. 

Mas é importante reforçar que conhecer o seu cliente, entender as circunstâncias, lembrar que ele não se relaciona somente com a sua empresa, entre outros fatores externos que influenciam na capacidade de pagar uma dívida, vai aumentar ainda mais as chances de recuperar inadimplências. 

Cabe a cada empresa entender esses perfis e padrões que se repetem dentro da lista de devedores, a fim de tirar o melhor proveito das ferramentas que potencializam a produtividade na hora de cobrar.

Nessa hora, a WestCob é aliada, pois garante que a equipe tenha mais tempo para pensar em estratégias, analisar os dados e construir abordagens efetivas, em vez de investir tempo em tarefas manuais como envio de mensagens que podem e devem ser pré-cadastradas e enviadas com frequência determinada para cada cliente.